Total de visualizações de página

quarta-feira, 12 de agosto de 2009

Café por Mané do Café

Mané do Café é o pseudônimo artístico de Jorge Carlos Amaral de Oliveira. Nasceu no Brasil, Rio de Janeiro, a 23 de Julho de 1952.



Despertou para as artes no Estado de acre, na Amazônia Brasileira, o que o levou a abandonar o curso superior de Geografia para, em tempo integral, lançar mão das mais variadas formas de expressão artística e, através delas, gritar a sua indignação contra as injustiças para com as gentes e as matas do Acre.

Com o fim da Ditadura Militar no Brasil, passou a dedicar-se mais ao Teatro (no qual se profissionalizou) e às Artes Plásticas. Em 1977, pisou pela primeira vez um palco para uma apresentação pública quando, de improviso, substituiu um ator no musical Os Saltimbancos, na direção de Cícero Farias no âmbito das comemorações do Dia dos Professores, na Escola Maria Angélica de Castro, em Rio Branco. A partir daí, tornou-se ator e encenador, mas as circunstâncias obrigaram-no a outras tarefas e assim, também foi figurinista, manipulador de bonecos, compositor musical, cartazista, iluminador, cenógrafo, cenotécnico, maquiador, sonoplasta, contra-regra, assistente de produção, coreógrafo, costureiro, produtor, autor e, principalmente, um incentivador.

Como Jorge Carlos escreveu vários livros para o teatro como UM NARIZ PARA O REI (farsa adaptada do conto homónimo de Jack London. Editada pela Fundação Cultural do Acre e publicada no jornal A Nova Democracia, Rio de Janeiro); de poesias como CAFEOPEIA-A GRANDE AVENTURA DO CAFÉ, em parceria com Edison Nequete, edição de autor e na net; de contos e cronicas como O LADRÃO DE SONHOS (contos e crónicas), Academia da Edição, Lisboa; romances, como O PORTUGUÊS OU ESCRAVOS DA ESPERANÇA, Campo das Letras, Porto; outros temas como CAFÉ – AS RECEITAS DO MANÉ (em várias línguas), edição de autor.

Também fez várias exposições fotográficas como UMA AVENTURA DE 500 Kms (Exposição em conjunto com Dinho Gonçalves documentando o périplo em bicicleta UM COMPROMISSO DE 500 Kms, dos palhaços Tenorino 'Dinho Gonçalves' e Trimpulim 'Jorge Carlos' no trecho da BR 364 que liga Rio Branco a Porto Velho) Restaurante O Casarão.

Na música participou de vários festivais e tem registrado na história várias contribuições como DE DEGUN (“De ninguém”, em provençal), incluída no repertório da cantora Glória Lopo, Com Alma Caffé, Lisboa. Para ouvir.

Nas artes-gráficas, no artesanato registrou cartazes, folhetos,logotipos; criou um dominó musical lúdico e didático, peças de xadrez minimalísticas, porta papel higiênico...

Nas artes plásticas fez mostras coletivas e individuais, como:
. "Viva café", "Café para os amigos", "Café em Café" e "Café Erótico" - Rio Branco, Brasil
. 7º Salão de Artes, Fundação Rômulo Maiorana - Belém, Brasil
. Inauguração do Parque Chico-Mendes - São Paulo, Brasil
. Café Palheta - Feira da Abras, Rio de Janeiro
. "Vamos ver um café?" - Centro de Artes Calouste Gulbenkian, Rio de Janeiro
. "Desenhos feitos com café" - Brasília, Brasil
. "Coleur Café" e "Café Fraté" - Lausanne, Suíça
. "Os tons do café", "Café maluco" e "Café de improviso", Lisboa, Portugal
. "Esculturas em cedro" - S. Pedro de Moel, Portugal
. "Pintura com café" - Caminha, Portugal
. "Arte a café" - Alcochete, Portugal
."Artes-Plásticas na Lusofonia" - Évora, Portugal
."Inverno cultural" - Cascais, Portugal
."Inverno Arte" - Nisa, Portugal
."Le rêve et lèxotisme" - Morriéres, França
. "Café criança" - itinerante . "Penélopes urbanas" (Jan./Fev. 1999) - TejoBar, Lisboa, Portugal
. "Artistas Brasileiros" (coletiva) - ATEAR-Associação de Artistas-plásticos de Carcavelos em comemoração aos 200 anos da chegada ao Brasil da Corte Portuguesa, Casa da América Latina, Lisboa.
...e tantas outras.

Uma das obra de Mané do Café
António Ribeiro (O Chiado) Aguada de café s/ papel -Mané do Café - 1997

Adotou primeiro o pseudônimo de João Maiara e a partir de 1995 o de Mané do Café. Reside em Portugal desde 1990 e mantêm exposição permanente na praça da Figueira através da Câmara Municipal de Lisboa.

Represantações
Está representado no Museu Estadual do Acre, Brasil; Museu Municipal de Alcochete, Portugal; Secretaria da Indústria e Comércio do Acre; Serviço Social do Comércio do Acre; Tropicalp (Associação Suíça-Brasil) Lausanne, Suíça e sede da ABIC (Associação Brasileira da Indústria do Café) Rio de Janeiro, e ainda em Museus Particulares de Indústrias do Café (Portugal).

CITADO EM...
DICIONÁRIO CRAVO ALBIN DA MÚSICA POPULAR BRASILEIRA, Instituto Cultural Cravo Albin, com o nome Jorge Carlos.

IMDb - Internet Movie Database, com o nome João Maiara.

A CIDADE ENCENA A FLORESTA (Levantamento histórico do Teatro no Estado do Acre), de Maria do Perpétuo Socorro Calixto Marques – Edição EDUFAC – Rio Branco, 2005.

ASPECTOS DAS ARTES-PLÁSTICAS EM PORTUGAL III, Edição Fernando Infante do Carmo – com o nome Mané do Café. Lisboa, 1997.

ANUÁRIO DAS ARTES-PLÁSTICAS – Edição ESTAR – Portugal-Espanha (Galícia), 1998.

Nestas suas incurções pelo mundo da arte, da música, da escrita, midiática, seja em exposições, concursos, festivais, entrevistas... Mané do Café recebeu várias homenagens e merecidas premiações.

Fontes:
1 - Portugal em Linha

2- Café com letras

3 - Brincadeiras do Mané - Youtube

Particularmente achei estas "brincadeiras" de alto bom gosto. Esses brasileiros apaixonados pelo café, realmente tem conteúdo para deixar marcas pela história... Vale a pena conferir!
kids


É face de café - por Mané do Café (in ) Opus CAFÉ


Preludio e fuga


Música de Múcio Sá a partir do tema CAFÉ



Música de Zeca Afonso com desenhos de Mané do Café


Música: Tanguillo de Alfama, Mucio Sa - Versos lisboetas - Desenhos: Mané do Café


Os Lusíadas a Café - música de Zeca Afonso

Nenhum comentário:

Postar um comentário