Total de visualizações de página

terça-feira, 1 de outubro de 2013

Benefícios de tomar café



O café teve má reputação por anos, mas seus benefícios para a saúde são razões suficientes para manter esta bebida em nossas vidas, mas claro, sempre e quando a consumemos com moderação.

A seguir, apresentaremos sete razões para continuar tomando café.

Benefícios de tomar café

1. Quem toma café pode viver por mais tempo.

Segundo estudos, homens que informaram beber duas xícaras de café por dia eram 10% menos propensos a morrer jovens do que aqueles que não bebiam café, enquanto as mulheres que beberam a mesma quantidade eram 13% menos propensas a morrerem jovens.

2. Os que consomem café têm menor probabilidade de desenvolver diabetes.

Mais de 15 estudos publicados relacionaram o consumo de café com a prevenção da diabetes do tipo 2. Foi descoberto que as pessoas que bebiam seis a sete xícaras de café por dia tinham 35% a menos de probabilidades de apresentar diabetes tipo 2, do que aquelas que bebiam menos de duas xícaras por dia.

Porém, é preciso cuidado, já que a maioria dos estudos também indica que consumir muito café diariamente pode se converter em uma prática totalmente prejudicial. Ou seja, a moderação é bem vinda nesse caso.

3. O café pode combater ao câncer.

Aos amantes do café temos uma boa notícia. Pessoas que consomem café regularmente e moderadamente são menos suscetíveis a apresentar certos tipos de câncer. Não há uma relação de causa e efeito, porém, o consumo de café foi relacionado com a menor incidência de canceres como o de próstata, oral e de mama, assim como a cirrose hepática.


4. Tomar café ajuda a diminuir o risco de sofrer mal de Parkinson.

Não ajuda apenas a diminuir os sintomas de doenças como também pode diminuir a probabilidade de desenvolvê-la. O motivo parece ser a cafeína. Já em 1968 estudos demonstravam uma associação entre a diminuição dos fatores de risco da doença de Parkinson e o consumo de café.

5 – O café pode prevenir o desenvolvimento de anemia e Alzheimer.

Sabemos que o café aguça nossas mentes a curto prazo, o que não se sabia é se exercia efeito similar a longo prazo, mas parece que o café é capaz de fazê-lo. Inclusive ele pode prevenir o desenvolvimento de demência, um mal que afeta a 36 milhões de pessoas em todo o mundo.

6 – O café pode combater doenças cardíacas e o acidente cerebrovascular.

O café tem sido relacionado também ao menor risco de transtornos do ritmo cardíaco, que causa ataques cardíacos e derrames cerebrais, assim como acidentes cerebrovasculares em mulheres.

Em um estudo os membros de um plano de saúde que relataram beber de uma a três xícara de café por dia tiveram 20% menos de probabilidades de serem hospitalizados por ritmos cardíacos anormais ou arritmias do que os que não consumiam café.


7 – Tomar café é importante pois ele é rico em antioxidantes.

Os investigadores sabem que o consumo de café conduz a um aumento dos antioxidantes no corpo. Quando os antioxidantes estão presentes na corrente sanguínea, tendem a fortalecer o sistema imunológico e combater as doenças.

Sem dúvidas depois de descobrir que o café também possui propriedades benéficas a saúde, o receio em consumi-lo será menor e a moderação para aqueles que se reconhecem viciados se tornará mais importante.

FONTE

https://melhorcomsaude.com/7-motivos-tomar-cafe/

quarta-feira, 28 de agosto de 2013

Degustadores de Café


Os degustadores de café avaliam a qualidade dos grãos e as características da bebida que estes podem produzir. A atuação dos profissionais é importante para os negócios com o produto, pois eles indicam o quanto vale cada lote de café.

Francisco Donizete Cruz já chegou a experimentar mais de 3.500 xícaras de café num único dia, no auge da colheita em Minas Gerais. Degustador de café há 33 anos, ele é gerente de qualidade da cooperativa Cooxupé, em Guaxupé (MG).

Cabe a ele verificar as condições do café que chega das fazendas dos produtores associados à cooperativa, e avaliar as características da bebida preparada com o grão torrado e moído - dizer se é suave, forte, ácida, doce, etc.

"São mais de 40 tipos de café, fora os gourmets", afirma Cruz.

Os degustadores não engolem o café que experimentam, que é cuspido num recipiente antes que eles passem para outra xícara. Mesmo assim, parte da bebida é absorvida pelo organismo, através do contato com a boca e a língua.

No pico da safra, entre julho e setembro, a cooperativa mineira, considerada a maior do país ligada ao café, recebe diariamente de 60 mil a 70 mil sacas de produto de seus associados.

O número de sacas dos lotes enviados pelos produtores varia. Mas a equipe de degustadores da cooperativa experimenta amostras de cada lote trazido.

Classificação depende do paladar
O trabalho realizado pelos degustadores é importante para cooperativas, torrefadoras -empresas que compram, torram e moem os grãos para vender no mercado- e exportadoras. É através das verificações que eles fazem nos grãos que se sabe quanto vale o café.

"Só com essa análise é possível separar os cafés de acordo com os padrões de qualidade internacionais", diz o degustador.

A primeira parte da análise é visual, feita com os grãos crus, logo que chegam à cooperativa. Cruz afirma que, "só de olhar", já sabe se o café tomou chuva, se caiu no chão, se fermentou, e, assim, pode separar lotes bons dos ruins e dar o preço para as sacas.

Depois disso, vem a parte da degustação da bebida, que é quando o café receberá uma classificação para venda e exportação.

Uma amostra de cada lote é torrada e moída, e com ela se prepara a bebida, que é colocada em xícaras especiais para a prova dos degustadores. De cada lote, eles chegam a experimentar até sete xícaras, que ficam em mesas redondas de tampo giratório, para facilitar o processo.

Com uma colher parecida com uma pequena concha de cozinha, o degustador leva uma porção da bebida à boca e a suga com bastante força. Ao fazer isso, inspira o ar junto, fazendo um som característico, semelhante a um assobio.

O café é assim levado para o fundo da boca, para o profissional conseguir sentir a totalidade de seus aromas e paladar.

Às vezes, é preciso experimentar maior número de xícaras para saber com precisão como classificar cada lote.

Degustador deve evitar alimentos picantes e álcool

"O degustador de café precisa ter uma vida regrada: não pode comer alimentos picantes ou ácidos e deve evitar bebidas alcoólicas", afirma Cruz.

Mesmo degustando café como profissão, Francisco Cruz não dispensa o café por prazer. "Tomo bastante, umas cinco xícaras por dia. Quando estou em viagem sempre quero provar os cafés que tem na região. Sou louco por café", afirma.

Campeão de degustação vai representar o país na Austrália

Com a experiência de quem procura e prova cafés de qualidade desde a adolescência, o empresário Edimilson Batista Generoso, de Varginha (MG), é o atual campeão nacional de degustadores. Há duas semanas, ele venceu 17 concorrentes no 6º Campeonato Brasileiro de 'Cup Tasters' (provadores), durante a Semana Internacional do Café, em Belo Horizonte.
Os degustadores passavam por várias baterias de provas, nas quais havia sempre três xícaras contendo café. Duas apresentavam a mesma bebida, e o provador tinha que identificar a xícara com o café diferente.

Generoso errou pouco, e acabou vencendo a competição. Em maio do ano que vem, ele vai representar o Brasil no campeonato mundial da categoria, na Austrália.

Vencedor de concurso toma 15 xícaras de café por dia
O campeão é dono da torrefadora Alicerce, juntamente com os irmãos mais velhos Edivaldo e Elias. "Aprendi tudo que sei com eles, que me ensinaram a degustar e identificar os produtos", diz.

Ele afirma que, para fechar negócios para sua empresa, acompanha o processamento do café após a colheita, analisa o grão verde e o aroma no momento da torrefação. "Mas a verificação final para saber a qualidade do café é mesmo com a degustação. Não tem jeito".

Generoso diz que toma pouco café em casa, mas, na empresa, chega a beber 15 xícaras por dia, na maioria das vezes, com clientes. "O café me ajuda em tudo. Dá mais energia, penso mais rápido. É o meu estimulante", afirma.

FONTE

https://economia.uol.com.br/agronegocio/noticias/redacao/2013/09/24/degustador-de-cafe-ja-chegou-a-provar-mais-de-3500-xicaras-em-um-unico-dia.htm

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Cantata do Café



Johann Sebastian Bach compôs uma Cantata do Café em 1732. Nela Bach descreve o conflito entre um pai de costumes rígidos e sua filha que adquiriu o hábito de beber café três vezes ao dia. Na época, o café era praticamente uma novidade na Alemanha.

Confiram: KaffeeKantate



Beber café, um desejo proibido para as mulheres da Alemanha do século XVIII. Apesar do consumo daquele grão escuro de efeito estimulante ter sido o acompanhamento perfeito das conversas sobre política e artes dos intelectuais eruditos, se ingerido pelas mulheres da época, o café era tido como “um negro veneno” que causava descontrole e esterilidade. Tudo bem, hoje, a discussão serve apenas de memória, mas, o curioso é observar o que a composição Kaffee-Kantate (ou, Cantata do Café), miniópera do “pai da música” Johann Sebastian Bach, contribuiu para essa história.

Tocada entre 1732 e 1735 na Kaffeehaus de Zimmermann, em Leipzig, a cantata tem tom cômico e narra a tentativa de repressão do pai rabugento. Schlendrian à mania de Lieschen, sua filha viciada em café. Esgotados os modos de convencê-la do perigo daquele terrível desejo, Schlendrian só consegue satisfazer à sua vontade quando a oferece um marido.

No entanto, ao contrário do repúdio ao café, instigada pelos homens da elite alemã, Bach compôs um salve, um ode, um reverendo à bebida. “Ah, como é doce o seu sabor. / Delicioso como milhares de beijos, / mais doce que um moscatel. / Eu preciso de café” (…) “Paizinho, não sejas tão mau. / Se eu não beber meu café / as minhas curvas vão secar / as minhas pernas vão murchar / ninguém comigo irá casar”.

O literato Milton Ribeiro, em post sobre o assunto em seu blog, deixou a ressalva: “Bach aprendera muito bem, em sua vida familiar, que influenciar os jovens não era assim tão fácil. Portanto, adicionou um recitativo no qual os planos de Lieschen são revelados: o homem que quiser casar com ela terá de consentir numa cláusula: o contrato matrimonial certamente preverá que a mulher possa tomar café sempre que lhe apetecer”.

Pois é, homens e mulheres! Quatro séculos depois, especialistas não têm dúvidas de que três a quatro xícaras para o café diário, o que representa cerca de 500 mg de cafeína, só faz bem para a saúde. Estimula a memória, combate a depressão e suas consequências, é rico em sais minerais – potássio, cálcio, zinco, ferro e magnésio -, além de vitamina B, ácidos clorogênicos, antioxidantes naturais, entre outros nutrientes. É, eles não sabiam disso...

Ganhar uma música escrita por um dos maiores nomes da música clássica como Bach não é para qualquer um. Inspirado pelo café, o compositor alemão fez uma cantata cômica, uma pequena ópera, sobre a bebida.

A Kaffee Kantate foi encomendada por Zimmermann, proprietário de uma cafeteria na cidade alemã Leipzig chamada de Kaffeehaus. Lá, ela foi apresentada durante quatro anos seguidos (entre 1732 e 1735).



Curiosamente, os papéis femininos da obra foram interpretados por homens, pois “cantoras” eram proibidas em lugares sérios da época. A história conta de um pai que tenta fazer com que sua filha não tome café e até lhe oferece um noivo. A filha Lieschen aceita finalmente a troca, mas, espertamente, inclui uma cláusula que a permite tomar café sempre que ela quisesse no contrato matrimonial.

A tradução da letra, segue abaixo:
“O gato não é o rato,
O café continua sendo o irmão das solteiras.
A mãe ama o café quente,
A avó bebia isso também,
Quem quer insultar suas filhas!”
Alguns versos extraídos da cantata são muito engraçados:
“Ah, como é doce o seu sabor.
Delicioso como milhares de beijos,
mais doce que um moscatel.
Eu preciso de café.”
“Paizinho, não sejas tão mau.
Se eu não beber meu café
as minhas curvas vão secar
as minhas pernas vão murchar
ninguém comigo irá casar.”

FONTE

http://www.mexidodeideias.com.br/index.php/curiosidades/cantata-do-cafe-de-bach/

http://www.cafefacil.com.br/blog/bach-cantata-do-cafe-em-homenagem-ao-dia-internacional-da-mulher/

http://www.cafefacil.com.br/blog/bach-cantata-do-cafe-em-homenagem-ao-dia-internacional-da-mulher/#sthash.PHM9hVkX.dpuf

sexta-feira, 24 de maio de 2013

Dez motivos para tomar Café, diariamente



Um dos produtos agrícolas mais importantes da economia brasileira – e na mesa dos brasileiros – comemora em 24 de maio o seu dia nacional: o café. Como se não bastasse apenas ser prazeroso tomar um cafezinho ao levantar ou após a refeição, o fruto ainda nos dá inúmeras razões para não o deixarmos de lado.

“A maior parte das ações benéficas do café devem-se aos efeitos conjuntos dos compostos bioativos do produto, principalmente à ação conjunta da cafeína e dos ácidos clorogênicos, que são os principais compostos antioxidantes do café”, diz a nutricionista Adriana Farah.

De acordo com a especialista, a espécie robusta, que é encontrado no Brasil na variedade conilon, pode ser melhor para saúde devido ao alto teor de compostos fenólicos (ácidos clorogênicos) e cafeína, embora o café arábica forneça todas as propriedades potencialmente benéficas esperadas de um café.

O conilon é responsável por maior corpo à bebida, mas tem aroma mais neutro. Já o café arábica é bem superior em termos de e aroma e qualidade global da bebida. Por isso, um blend (mistura) com 20% de conilon e 80% de arábica seria o mais adequado. No entanto, para café expresso, que normalmente tem mais corpo e acentua as características sensoriais da bebida, o percentual de conilon na mistura pode ser reduzido a 0%.

“É importante colocar que a alta contaminação microbiológica do grão, bem como a ocorrência de processos oxidativos na lavoura, durante a colheita ou no processamento, prejudica bastante a qualidade sensorial da bebida e também podem ocasionar a presença de toxinas provenientes de fungos. Portanto, mesmo um café arábica pode produzir uma bebida muito inferior em termos sensoriais, do que um conilon bem cuidado”, explica a nutricionista.


Em comemoração ao seu dia, relacionamos ao menos dez motivos para se tomar café diariamente:

1- Produz sensação de bem-estar e de conexão com a vida e ajuda a prevenir a depressão; Um café torrado adequadamente, com um teor saudável de cafeína, ácidos clorogênicos e lactonas, ajuda na prevenção à depressão;

2 - Melhora o desempenho cognitivo, aumentando a concentração e a capacidade de aprendizado; O café é a única bebida que estimula o intelecto;

3 - Pode aumentar a expectativa de vida, ajudando a prevenir doenças coronarianas e degenerativas em geral;

4 - Ajuda a prevenir o declínio cognitivo, demência e doença de Alzheimer; Pesquisadores da Universidade do Sul da Flórida, nos Estados Unidos, descobriram que a cafeína bloqueia a formação das “placas” associadas ao Alzheimer. Outro estudo, realizado entre 1972 e 1987, determinou que os consumidores de café na idade adulta corriam um menor risco de sofrer demência ou o Mal de Alzheimer em comparação aos que não bebiam. Ou seja, aqueles que consumiam de três a cinco xícaras ao dia registraram um risco 65% menor do que aqueles não tomavam a bebida;

5 - Ajuda a prevenir a doença de Parkinson; Pesquisadores observaram, pela primeira vez, em estudos com animais, que a cafeína ajudava a superar a rigidez e os problemas de mobilidade – principais características da enfermidade. Perceberam, ainda, que a substância presente no café também pode retardar a degeneração das células que produzem a dopamina;

6 - Ajuda a prevenir e a combater o diabetes tipo 2, principalmente o café descafeinado;

7 - Ajuda a combater dores, inclusive certos tipos de dor de cabeça;

8 - Tem efeito antibacteriano contra as principais bactérias causadoras da cárie e contra bactérias intestinais nocivas;

9 - Ajuda a proteger o fígado contra cirrose e outras doenças hepáticas degenerativas;

10 - Bom para a pele; O teor dos antioxidantes fenólicos dos grãos verdes denominados clorogênicos é maior no conilon do que no arábica. Os fenóis do café possuem efeito protetor contra o câncer de pele. O café não possui flavonóides que impermeabilizam a membrana da pele contra os raios UV, mas ajudam no tratamento de lesões causadas por exposição excessiva ao sol.



Fonte

http://revistagloborural.globo.com/Noticias/Agricultura/Cafe/noticia/2014/02/cafe-voce-tem-no-minimo-dez-razoes-para-toma-lo.html

sexta-feira, 17 de maio de 2013

Coffee Lab


O Coffee Lab é um laboratório de torra, degustação e preparo de cafés de qualidade, focado em micro lotes com características singulares, responsabilidade eco-social e rastreabilidade do pé ao pacote.

Selecionamos alguns dos melhores cafés brasileiros a cada nova safra, e desenvolvemos perfis de torra específicos para cada café que vendemos. Testamos exaustivamente como cada grão se comporta em diferentes perfis de torra até definir aquele em que cada café demonstra toda sua potencialidade.

Nossa cafeteria é considerada uma das melhores do mundo e já recebeu diversos prêmios, como o de melhor cafeteria de São Paulo pelo Veja Comer & Beber 2012. Nela, nossos baristas altamente treinados preparam, de acordo com as técnicas mais modernas utilizadas internacionalmente, os cafés que selecionamos e torramos. Todos os baristas estão treinados para conversarem com nossos clientes para tirar suas dúvidas e explicar mais sobre esse complexo e fascinante universo de cafés especiais de alta qualidade.

Nossa escola forma profissionais segundo as mais modernas teorias e técnicas em vigor internacionalmente. Formamos baristas, mestres de torra e degustadores profissionais. Também oferecemos cursos para leigos, que não pretendem trabalhar com café mas que se interessam por aprender mais sobre este produto apaixonante.


Nosso portfólio de grãos e de bebidas à base de café é o resultado de cinco fatores principais:
  • atualização constante de conhecimento na área de café;
  • contato constante com o consumidor final;
  • equipamento de ponta;
  • método e disciplina;
  • muito, muito amor por café.











Fotos de Nana Vieira

Newsletter para amantes de café

Nós amamos, fazemos e conversamos café. Em nossa newsletter compartilhamos algumas de nossas experiências e aprendizados. Enviamos apenas uma vez por mês, respeitando sua atenção. Quer receber?


Nossos cursos

Estude em um dos mais premiados laboratórios de café do mundo











(clique acima para ver todas as informações de cada curso)

Escola de baristas

Nascemos como uma Escola de Baristas, e isso continua sendo um dos aspectos mais importantes do que fazemos. Nossa escola oferece cursos para profissionais e também para o público em geral.

O Coffee Lab é um dos mais renomados e reconhecidos laboratórios de café do mundo, tendo recebido diversos prêmios ao longo dos anos. Muito antes de abrirmos nossa torrefação e nossa cafeteria, porém, o Coffee Lab já era uma Escola de Baristas. Em nossos cursos, transmitimos aos alunos o que há de mais moderno em estudos sobre café e ensinamos as técnicas utilizadas nas melhores cafeterias do mundo, inclusive na nossa.

Isabela Raposeiras, idealizadora do Coffee Lab, vencedora do primeiro Concurso Nacional de Barismo do Brasil, Mestre de Torra e Q Grader (certificação internacional de degustação de cafés especiais), projetou treinamentos aprofundados e inovadores capazes de formar profissionais com base nas teorias e técnicas mais modernas utilizadas internacionalmente. Nossos alunos recebem a capacitação necessária para trabalharem com café em um patamar de qualidade que os coloca em uma categoria muito seleta.

A escola também utiliza os melhores equipamentos disponíveis no mercado, e nossos professores são altamente qualificados, possuindo domínio das teorias científicas e experiência com a prática do trabalho com barismo.
Sobre os cursos do Coffee Lab


Melhor café Veja SP 2011, 2012, 2013, 2014, 2015 e 2016;
Melhor café Folha de São Paulo 2011 e 2012;
Melhor café pelo juri da revista e juri popular da Revista Época 2011 e 2012;
Melhor Barista pela Prazeres da Mesa 2012;
1o Campeonato Nacional de Barista, 2002.





Venha aprender conosco

Explore nossos cursos acima. Para verificar as datas das próximas turmas e adquirir vagas, acesse nossa loja online.

Para falar com nossa equipe e obter mais informações, entre em contato pelo telefone +55 (11) 99148-8052 ou pelo email cursos@coffeelab.com.br.

Invista em sua carreira estudando com quem mais entende de café.Sênior

FONTE

http://coffeelab.com.br/

atualizado em junho/2017

domingo, 14 de abril de 2013

Dia Internacional do Café


Domingo, 14 de abril, é o Dia Internacional do Café. Comemore, fazendo do preparo e consumo de uma xícara de café um maravilhoso ritual de aroma, sabor e prazer.

Maior produtor e exportador de café do mundo, e segundo maior mercado consumidor, o Brasil não poderia ficar de fora das comemorações do Dia Internacional do Café, no próximo domingo, 14 de abril. Exatamente por isso a Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC) está convocando as indústrias, cafeicultores, cooperativas, exportadores, varejo, supermercadistas, cafeterias, imprensa e todos os consumidores para celebrar a data com uma deliciosa xícara de café, não importa a forma de preparo: na cafeteira elétrica, no filtro de papel, no coador de pano, em cápsulas ou sachê, na prensa francesa, puro ou com leite, ou mesmo como ingrediente de saborosos drinques, alcoólicos ou não.



O café é um dos produtos básicos que mais se negociam no mundo todo, sendo produzido em mais de 60 países, proporcionado o sustento para mais de 125 milhões de pessoas e sendo particularmente importante para os pequenos cafeicultores, que são os responsáveis pela maior parte da produção. De acordo com a Organização Internacional do Café (OIC), entre os consumidores, o café é uma bebida universalmente popular: mais de 600 bilhões de xícaras são consumidas todos os anos.

Além da comemoração internacional, o Brasil também possui a sua própria data para homenagear essa bebida milenar: 24 de maio, Dia Nacional do Café, que foi incorporada em 2005, por sugestão da ABIC, ao Calendário Brasileiro de Eventos. Em ambas as datas, a ABIC estimula que as cafeterias e demais pontos de consumo promovam atividades diferenciadas, assim como incentiva os industriais e o varejo, principalmente o supermercadista, a realizarem ações compartilhadas, como uma decoração especial nos pontos de venda, distribuição de brindes e lançamento de produtos superiores ou gourmet, em embalagens sofisticadas e diferenciadas. Estas ações coincidem com o início do período de maior venda e consumo de café, que são justamente os meses do Outono e Inverno.

Puro e gostoso
Em suas campanhas junto aos associados e ao mercado, a ABIC vai, mais uma vez, reforçar a importância do seu Selo de Pureza, que garante isenção de adulterações, e das suas certificações para os cafés de qualidade nas categorias Tradicional, Superior e Gourmet e para os cafés sustentáveis. “Todos têm o direito de tomar um café puro e gostoso”, frisa Américo Sato, presidente da entidade. E os selos da ABIC estampados nas embalagens das marcas que são monitoradas e analisadas periodicamente, são aliados dos consumidores e garantia de produtos seguros.

Consumido diariamente e em doses moderadas (de três a quatro xícaras ao longo do dia), o café é uma bebida que dá energia e disposição, sendo ainda um momento prazeroso e reconfortante. O café também faz bem à saúde, podendo contribuir na prevenção de várias doenças, como diabetes do adulto, câncer de cólon, de fígado e de mama, e doença de Parkinson entre outras.

Todos esses benefícios fazem do café uma grande paixão entre os brasileiros, que a cada ano tanto consomem mais quanto diversificam a forma de prepará-la, em casa ou nos escritórios, passando a saborear ao longo do dia cafés puro ou com leite, ‘espresso’ e cappuccinos, além de outros diversos drinques.

Essa paixão dos brasileiros por café é comprovada pela demanda crescente do produto. Em 2012, conforme levantamento feito anualmente pela ABIC, o consumo interno foi de 20,33 milhões de sacas, um crescimento de 3,09% em relação ao período anterior, que havia sido de 19,72 milhões de sacas. Em volume, o Brasil só é superado pelos Estados Unidos, que é o maior mercado consumidor mundial.

Já o consumo per capita foi de 4,98 kg de café torrado – o maior já registrado, superando o de 1965, apurado pelo extinto IBC – Instituto Brasileiro do Café, que foi de 4,72 kg. São quase 83 litros de café para cada brasileiro, por ano. O consumo per capita brasileiro continua sendo maior que os da Itália, da França e dos EUA, mas os campeões ainda são os países nórdicos, como Finlândia, Noruega e Dinamarca.

Fazer café não é difícil, mas algumas dicas ajudam a extrair o máximo de aroma e sabor

1) Como comprar:

O café é um produto que absorve odores. Por isso, quando for ao mercado só compre se o café estiver longe de produtos de limpeza e de higiene. Depois, coloque-o em sacola separado das demais compras.


A embalagem mais tradicional é a chamada almofada (saco). O prazo de validade do café é de responsabilidade do fabricante Café recém-torrado tem mais sabor.

Vem crescendo também o uso de embalagens a vácuo (semelhante a um tijolo), um processo de embalar o café através da retirada do oxigênio. A vantagem é que tem validade mais longa, de 12 a 18 meses.

Existem outros tipos de embalagem que preservam o café por 12 meses. São aquelas que têm válvula aromática e as que têm gás inerte, normalmente nitrogênio em seu interior. Nesses dois casos, o ar interno é removido e isto ajuda a preservar o aroma e o sabor por muito tempo.

Ao comprar, verifique o prazo de validade. Muitas embalagens já trazem também informações como a origem do grão (em que região foi plantado), se a torra é clara, média ou escura.

Se você toma pouco café em casa, adquira embalagens menores, de 250 gramas. O café, em contato com o ar, oxida e perde o aroma e sabor. É melhor comprar vários pacotes menores e ir abrindo conforme a necessidade, do que comprar embalagens maiores, de 500 gramas, achando que assim está economizando. 

2) Em casa:

Guarde o pacote de café na despensa, bem longe do armário de produtos de limpeza e de higiene.
Depois de aberta, guarde a embalagem ou transfira o pó para um pote ou uma lata, que seja hermeticamente fechado, e coloque preferencialmente na geladeira. O pote tem que estar muito bem fechado para não entrar ar e, no caso da geladeira, para o café não entrar em contato com a umidade e o pó não adquirir os odores dos outros produtos e alimentos lá guardados.
O pote deve ser de uso exclusivo do café. Quando for repor o produto, lembre-se de lavá-lo e mantê-lo limpo e livre do pó anterior. Evite misturar o final de um pó de café com um novo.
O ideal é consumir o café até duas ou no máximo três semanas após aberto.

3) Cuidados

Use sempre água filtrada no preparo do café. 



Nunca ferva a água.
Nunca reaproveite o pó de café usado, chamado de borra. Jogue fora (ou aproveite para colocar nas plantas e assim combater a dengue).
Como o café é um produto que absorve qualquer odor ou perfume, só use detergente neutro para lavar todos os utensílios: chaleira, jarra de vidro, bule, porta-filtro, garrafa térmica, canecas e xícaras.
Para garantir um café bem quentinho, escalde as xícaras com água fervente antes de servir.
Nos dias mais frios, escalde o próprio bule ou recipiente antes de passar o café.
Escalde também a garrafa térmica, que deve ser de uso exclusivo para café. E lembre-se: NUNCA adoce o café e só o mantenha na garrafa térmica por no máximo 1 hora – depois disso ele fica com gosto de requentado e perde todo o sabor.
Só adoce o café na xícara, na hora que for bebê-lo.
Faça o café na quantidade ideal para o número de pessoas que vai consumi-lo. Assim, além de ter sempre um cafezinho muito gostoso, você ainda economiza e não desperdiça, jogando o café no ralo.
NUNCA requente o café.

4) Qual o melhor café?

O melhor café é aquele que a pessoa mais gosta. Existem cafés para todos os gostos e bolsos.
Uma boa forma de descobrir qual o melhor café é fazer um teste comparativo. Compre duas embalagens pequenas de duas marcas diferentes. Prepare os dois simultaneamente. Coloque um em cada xícara e primeiro sinta o aroma, aproximando o nariz na borda. Em seguida, prove o primeiro e sinta o paladar, o corpo. Depois tome um gole de água (para limpar a boca), e experimente a segunda xícara e compare os dois.
Assim fica muito fácil você descobrir qual é o café que mais lhe agrada e você pode descobrir ainda se gosta de café com torra mais escura, ou com torra mais clara; se gosta de café mais encorpado ou menos encorpado, e assim por diante.

5) Preparo do café



Medidas (independente se coado ou filtrado):
Para um pó de café com torra média use entre 6 e 8 colheres de sopa rasas para 1 litro de água (isso dá para fazer 20 xícaras – se for fazer para 4 pessoas, use 3 colheres e 250 ml de água).
Para um pó de café com torra escura use entre 5 e 6 colheres de sopa rasas para1 litro de água
Coloque o pó no coador ou filtro uniformemente e não compacte ou aperte a camada de café.
Comece molhando o café pelas beiradas. Depois, despeje a água lentamente, em fio, bem no centro. Não mexa com a colher.

6) Preparo no Coador de Pano 

É a forma de preparo mais tradicional no Brasil e resulta em uma bebida suave
Se o coador for novo, ferva-o em água com borra de café antes do primeiro uso.
Lave o coador de pano após o uso apenas com água
Guarde-o dentro da água, em pote fechado, preferencialmente na geladeira.
Troque o coador de pano pelo menos a cada 3 meses.
Nesse método, o café também pode ser misturado na água quente e posteriormente passado no coador. 

7) Preparo no Filtro de Papel 

Nesse método, obtém-se uma bebida mais encorpada.
Atenção: o filtro de papel deve ser do mesmo tamanho do porta-filtro.
O filtro de papel é descartável. Não reaprocveite

8) Reparo do Café Solúvel

O café solúvel é prático e não requer nenhum equipamento. Basta adicionar água quente (ou leite quente) ao pó.

9) Preparo na Cafeteira Italiana

Nesse equipamento, obtém-se um café cremoso e com aroma mais intenso e encorpado. Atenção: esta cafeteira exige um café com moagem mais grossa.
Fazer o café nesta cafeteira é simples. Coloca-se água no reservatório inferior e o pó de café no porta-filtro, fecha-se a cafeteira e a leve direto ao fogo. 

10) Preparo na Cafeteira Elétrica

Muito prática. A própria cafeteira aquece a água até a temperatura certa, que passa pelo filtro onde está o pó.

11) Preparo na Prensa Francesa (French Press)


Além de prática, se destaca pela mobilidade.
Utiliza um êmbolo para separar a borra. Basta colocar o pó (que deve ser moído grosso), acrescentar a água quente e empurrar o êmbolo bem próximo do café. Deixe descansar por 4 ou 5 minutos. Empurre o embolo até o final – o café filtrado sobe e os resíduos ficam ao fundo.

12) Preparo do Café Turco

Nesse método o café não é filtrado, mas é bebido com o pó de café que deve ter moagem bem fina.

Mistura-se água, pó e açúcar no ibriq, um bule de metal com cabo comprido. Leva-se ao fogo por três vezes e ao final, antes de servir, adiciona-se o cardamomo.



Fontes:

ABIC – Associação Brasileira da Indústria de Café
CPC – Centro de Preparação de Café do Sindicafé – SP

http://www.folhadecampinas.com.br/portal/2013/04/domingo-14-de-abril-e-o-dia-internacional-do-cafe/

sábado, 6 de abril de 2013

CANECA DIVERTIDA – CANECAS TERMOAPAIXONANTES

 

Elas existem aos montes, mas a dinâmica é a mesma: mudam de aparência quando entram em contato com líquido quente. Estou falando das canecas termográficas que, além de divertidas, quebram a mesmice do dia a dia. Já mostramos duas delas aqui (Pac-Man) e aqui (Morning Mug). Mas, gostamos tanto que não resistimos e selecionamos mais algumas!
CANECA6   CANECA DIVERTIDA #17 – CANECAS TERMOAPAIXONANTES

Pixel Heart – A porcelana traz um coração ao estilo geek de 8 bits vazio e sem vida. Ao preparar aquele café quentinho e completar a caneca, ele muda e fica vermelho e cheio de energia.
A porcelana custa US$11,99 (cerca de R$25) e comporta 378ml de café. Apaixonou pelo coração? Clique aqui para comprar.

CANECA5   CANECA DIVERTIDA #17 – CANECAS TERMOAPAIXONANTES



Battery Mug – Se sua energia está se esgotando, a solução é beber café! Essa caneca pode ser perfeita para essa ocasião. A proposta dela é imitar o mostrador de bateria de seu celular, para que você fique sabendo quando está na hora de “recarregar”. Nada de tomadas, ligue-se na cafeína!
A caneca comporta cerca de 295ml de café quente e está disponível para compra aqui por US$14,99 (cerca de R$31).

CANECA3   CANECA DIVERTIDA #17 – CANECAS TERMOAPAIXONANTES


Tank-up – Você considera o café um líquido que faz seu “motor” funcionar? Então, seu caso com a bebida é ainda mais sério e esta caneca é para você! Saiba sempre quando é a hora de parar tudo aquilo que você está fazendo para “encher o tanque”. Rodar por aí sem combustível pode ser arriscado… A caneca também custa US$11,99 (cerca de R$25) e está disponível aqui. Assim como a “Battery Mug”, ela comporta cerca de 295ml de cafezinho quente e delicioso.

Se você está colecionando estas belezinhas, vale lembrar que as canecas termográficas só devem ser lavadas a mão. Máquina de lavar louças podem danificar a tinta e o material.

fonte

http://www.mexidodeideias.com.br/index.php/curiosidades/caneca-divetida-17-canecas-termoapaixonantes
 

sexta-feira, 5 de abril de 2013

Café com Sal

Tendência oriental ainda encontra resistência no ocidente, mas é uma aposta recente em busca de diferentes experiências
sal-nocafe-interna1
A busca pela potencialização do sabor do café deu corpo à moda do café salgado em taiwan. no ocidente, esse tipo de combinação pode fazer muita gente torcer o nariz, mas é uma aposta recente em busca de diferentes experiências.
Hoje, toda vez que bebo o café salgado, eu penso na minha infância, na minha cidade natal. A frase, do conto Café Salgado, da escritora Shimada Coelho (www.shimadacoelho.blogspot. com), mostra algo que, à primeira vista, parece inusitado. Um café temperado com sal? No mundo, o café é conhecido por ser degustado puro ou com açúcar – ou adoçante, para quem quer uma bebida com menos calorias.
E seus acompanhamentos seguem a mesma linha: petits-fours, bolachas, chocolates. Tudo liga a bebida a toques mais doces, característica do paladar ocidental quando o assunto é café.
 
No entanto, em alguns lugares parece que a bebida do conto de Shimada ganhou adeptos. Em Taiwan, conhecida por uma gastronomia um tanto quanto exótica – insetos são servidos como petiscos, por exemplo –, tomar café salgado virou moda. A onda surgiu na rede de cafés 85ºC Bakery Cafe, a mais popular da região, que hoje tem o produto como o mais vendido da casa. Para esse povo – que tem o hábito de jogar sal nas frutas para destacar sua doçura e como traço marcante a mistura de sabores –, o novo ingrediente não parece nenhuma grande inovação no Oriente. Segundo os especialistas locais, o segredo do sucesso é a sequência de sabores que a bebida proporciona.
O sal aflora os sentidos e em seguida as papilas gustativas sentem o gosto adocicado do café.
Marcia Yoko Shimosaka, degustadora de cafés da AMSH Consultoria, esteve em Taiwan e conheceu o novo produto. Segundo ela, a ideia foi bastante divulgada pelo mundo, mas o próprio taiwanês não conhecia a nova combinação. No entanto, acha difícil que isso seja bem-aceito em outros países. Márcia teve oportunidade de provar o café salgado e conta que a sensação não foi muito agradável. “A mistura é exótica, o gosto é inexplicável. Mas não consegui dar dois goles na bebida. O cheiro do sal marinho se sobrepõe ao aroma do café.” O sal é acrescentado ao café em forma de creme, semelhante ao leite vaporizado.
“Não acredito que essa prática obtenha sucesso em outros países.” A opinião é compartilhada pela barista Isabela Raposeiras. “Acho que as pessoas vão poder entender que o café é um produto mais abrangente do que se acredita, mas ainda aposto que a cultura brasileira de café com bolo de fubá, por exemplo, será sempre mais forte. Acredito que a bebida combinada com temperos e sal, ainda por algum tempo, será uma ousadia de pessoas ligadas à gastronomia contemporânea e baristas com uma formação técnica mais profunda.”
A não ser que seja um caldo ou uma receita de comida com café, Isabela não acha que adoçar a bebida com sal seja uma combinação bem-sucedida. “Assim como também não gosto do resultado sensorial do café adoçado com o próprio açúcar. As situações felizes sensorialmente são harmonizações de café com comidas salgadas ou uso da bebida como ingrediente em receitas nas quais pode ser o fator principal ou um dos temperos que as compõem.”
MAS, POR QUE NÃO?
sal-nocafe-interna2
Um café normalmente pede um acompanhamento. No Brasil, se você vai a uma cafeteria, não espere que lhe sirvam a bebida com um pequeno salgado. Por uma questão cultural o café vem acompanhado de minibolo, petitfour, bolachinha ou até mesmo chocolate. Mas segundo Isabela Raposeiras, o ator coadjuvante poderia ser sim um salgado. “Infelizmente hoje no Brasil é difícil alguém servir café com acompanhamentos salgados. Sempre defendi essa combinação pelo efeito que eles causam na percepção da doçura natural do café. Hoje em dia, as pessoas comem algo doce antes ou durante o café, e, consequentemente, essa percepção fica rebaixada. Se o acompanhamento for levemente salgado, a doçura do café fica relativamente maior.”
Abraçar o paladar adocicado, no caso do café, é algo fortemente visto no Brasil e também lá fora. “Os doces e a pâtisserie ainda continuam mais fortes na combinação com café”, explica
Isabela. Segundo a especialista, tudo é uma questão de harmonização. “O grande segredo é combinar um determinado café com algumas comidas, como se faz com vinhos. Isso inclui grãos diferentes, métodos de preparo, tipos de torra, entre outros. Da mesma forma que fazemos com qualquer comida e bebida, podemos harmonizar café por semelhança ou contraste, dependendo do resultado sensorial que se queira obter.”
Um dos grandes “companheiros” de um bom café, na visão da barista, é o queijo, além de carnes em geral. Uma experiência muito interessante é a de um espresso acompanhado de um pequeno pedaço de mussarela de búfala, por exemplo. Mas Isabela prefere usar o café como ingrediente na gastronomia: “Gosto muito também dos peixes mais gordos em algumas combinações com café. Se bem montada, essa harmonização pode ser muito feliz. A maneira mais fácil de não errar nas misturas é usar lácteos. Eles equilibram algumas tendências agressivas de determinadas combinações. Gosto mais de me aventurar em áreas menos óbvias, por isso uso o café na gastronomia como ingrediente. Ele é mais rico se usado em pratos salgados como parte dele do que se tentarmos apenas uma harmonização”.
Mas por que não experimentar uma combinação diferente? Tudo bem, o café com sal de Taiwan pode ser algo muito exótico, mas por curiosidade experimente a sugestão de Isabela em casa: “Nada mais maravilhoso do que um encorpado, doce e aromático espresso acompanhado por uma bela lasca de queijo Grana Padano.” Chame os amigos e faça um convite aos novos sabores!
 
fonte
 

Adoçar ou não adoçar: eis a questão!


Adicionar açúcar ao café pode mudar o sabor da bebida? Apresentamos opiniões sobre o assunto e ajudamos você a entender porque experimentar novos hábitos...

O consumo de cafés no Brasil vem crescendo anualmente. De acordo com dados da Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), entre novembro e outubro de 2010 houve um aumento de mais de 4% em relação ao mesmo período do ano anterior. A melhoria da qualidade dos cafés oferecidos à população e a consolidação do mercado de cafés gourmet são alguns dos fatores que influenciam esse aumento. A ABIC estima que este segmento apresente taxas de crescimento de 15% a 20% ao ano.

Desde que o conceito de cafés gourmet começou a ser difundido no país, há cerca de quinze anos, os especialistas em café se esforçam na tentativa de disseminar o hábito de não adoçar o café. Mas as opiniões sobre este assunto são divergentes e a maioria ainda torce o nariz quando é convidada a provar a bebida pura, ou seja, sem açúcar.

Por isso, a Espresso resolveu desvendar este mistério de uma vez por todas. Afinal, por que os conhecedores da bebida insistem em dizer que o certo é tomar o café sem adoçá-lo? Antes de ouvir algumas opiniões, vale ressaltar que o amargor da bebida, geralmente atribuído à presença da cafeína, não é tão marcante em todo e qualquer cafezinho como se imagina. Isto porque, nos cafés gourmet, o corpo, a acidez e a doçura ficam evidentes. Daí vem a premissa de que este tipo de café pode ser apreciado com ou sem açúcar.

O AÇÚCAR PELO MUNDO 

Até hoje, em algumas regiões do Sul da Itália, país berço do espresso, todo o café costuma ser servido com açúcar. Conversando com o atual barista campeão italiano, Francesco Sanapo, confirmamos este hábito. Segundo ele, ali a torra é mais escura, o que ressalta nitidamente o amargor do café. Por isso, os italianos sulistas geralmente servem a bebida com açúcar.

Mas isso não influencia a opinião de Francesco, que diz não incentivar o açúcar. “Gostaria que todos, pelo menos uma vez na vida, experimentassem o café sem açúcar. Afinal, só assim é possível conhecer o aroma e o sabor real do fruto dos cafezais.” Ele reafirma que ”il caffè buono è già dolce di suo”, ou seja, os bons cafés já são doces por si só.

Voltando às terras brasileiras, onde o consumo de café adoçado também é comum, conversamos com o barista Fernando Santana, da Doce Arte Café, de Socorro (SP). Ele conta que a maioria de seus clientes pede açúcar ou adoçante ao receber seu café. Mas, assim como o colega italiano, Fernando instiga seus clientes a experimentarem a bebida pura. “Explico que o café servido aqui é especial, com uma torra média que deixa transparecer melhor as características sensoriais do café”, completa.

Assim, quem chega à cafeteria do interior paulista é convidado a tomar o primeiro gole de café sem açúcar. “A maioria fica surpresa com o sabor e a doçura do café.” Fernando lembra o caso de um de seus clientes assíduos da cafeteria. “Toda manhã ele chegava e me pedia um ‘carioca’. Até que ofereci um café curto e sem açúcar. O primeiro gole foi seguido de uma careta. Mas, agora, ele já adora e não adoça mais.” O barista contou que, depois disso, o cliente virou o “mascote” da cafeteria. “Se ele vê alguém adoçando o café, vai até a mesa e tenta convencer a pessoa a provar a bebida ao natural.”

Seja com o sem açúcar, cada apreciador deve buscar a forma que lhe dá mais prazer ao beber o café. Sem ditar regras ou hábitos, os incentivadores do café sem açúcar – como nós da Espresso – procuram indicar a todos uma nova experiência. Mas que seja prazerosa. Se não for, o açúcar continuará sendo um bom companheiro.

QUER COM AÇÚCAR? CONHEÇA OS PRINCIPAIS TIPOS

1. AÇÚCAR DEMERARA

Granulado e de coloração amarela, possui alto teor de melaço em sua composição. Como não recebe aditivos químicos, apresenta valores nutricionais semelhantes aos do açúcar mascavo.

2. ASPARTAME

Não é açúcar, mas o resultado da combinação do ácido aspártico com a fenilalanina. Útil para pessoas com diabetes ou para quem precisa restringir o consumo de açúcar.

3. AÇÚCAR REFINADO

Passa pela etapa de refinamento com aditivos químicos como o enxofre, que tornam o produto com granulometria fina e brancura excelente. O ruim é que esse processo retira vitaminas e minerais, deixando apenas calorias sem nutrientes.

4. AÇÚCAR CRISTALIZADO

Granulado, puro, sem corantes, umidade ou empedramento. Com cristais bem definidos e granulometria homogênea.

5. AÇÚCAR ORGÂNICO

De granulação uniforme, pode ser encontrado na versão clara e dourada. Em sua produção, todos os fertilizantes químicos são substituídos por um sistema integrado de nutrição orgânica.

6. AÇÚCAR MASCAVO

É o bruto, extraído depois do cozimento do caldo de cana. Sua coloração é variável entre o caramelo e o marrom. Como não passa pela etapa de refinamento, conserva cálcio, ferro, magnésio e potássio.

7. AÇÚCAR BIODINÂMICO

Na produção deste açúcar são utilizadas substâncias altamente diluídas durante o plantio, para vitalizar as plantas e estimular seu crescimento. Ela também segue um calendário astral, com atenção à disposição da lua e dos planetas.

Fonte: Dra. Maria Del Rosario, médica nutróloga e diretora da Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN).