Total de visualizações de página

quinta-feira, 3 de março de 2011

Profissão de degustador de café pode pagar até R$ 5 mil por mês


Degustar é o ato de avaliar sabores. Essa profissão exige um paladar apurado e muito estudo para saber apreciar qualidades e procurar defeitos de um produto. No menu dos degustadores brasileiros, os principais itens são o café e o vinho. Que tal experimentar essa área?

Olfato, visão, audição, tato e paladar apurados são sentidos necessários para um bom Classificador e Degustador de Café. Todos complementados com curiosidade, dedicação, persistência, memória e muito estudo para se avaliar com precisão as amostras.

Os sentidos são tão importantes, que é interessante destacar: o número de deficientes visuais tornando-se ótimos degustadores vem aumentando, uma vez que, quando se perde a função de um dos sentidos, no caso, a visão, outros sentidos, como o paladar e o olfato, se desenvolvem com mais intensidade.

Os grãos são avaliados de acordo com o aspecto físico, quantidade de defeitos, homogeneidade de cor e tamanho (tipo) e sabor (bebida) que possuem, seguindo uma metodologia de análise nacional, conhecida como Classificação Oficial Brasileira (COB).

"Classificadores" estão em alta no mercado após decisão do Ministério da Agricultura. Conheça o trabalho do degustador de café, uma profissão que está se valorizando e tem uma demanda aquecida. O Ministério da Agricultura determinou que todas as fábricas e empresas de café contratem "classificadores" em até dois anos.

Baixe o Adobe Flash Player

A profissão de degustador de café está valorizada no mercado depois da decisão do Ministério da Agricultura, que obrigou todas as fábricas e empresas de café a contratar “classificadores” em até dois anos.

O salário do profissional especializado em degustar café pode variar de R$ 3 mil a R$ 5 mil. Já o auxiliar ganha em média R$ 1,5 mil.

Os cursos de degustador de café serão retomados em março nas universidades federais de Lavras e Viçosa, também no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Sul de Minas. Além do Instituto Agronômico do Paraná, Associação Comercial de Santos e nos Sindicados das Indústrias de Café de São Paulo e Minas Gerais.


O Classificador e o Degustador

Profissional que dentro de suas funções técnicas especializadas, são capazes através dos sentidos: audição, visão, tato, olfato e gosto, de determinar a classificação da matéria prima e a qualidade da bebida do café que está sendo colocado no mercado para uso do consumidor brasileiro. É um trabalho de arte que requer muito talento, concentração e decisão no veredicto.

Esse profissional tem que ter um amplo conhecimento em todas as cadeias do agronegócio-café.

Na área de produção ele presta assistência técnica ao cafeicultor com relação a colheita, a secagem, a armazenagem e a qualidade do café, através de laudos com pareceres técnicos, orientando ao produtor como evitar os defeitos de natureza intrínsecas, extrínsecas e sempre buscando a melhoria de qualidade do café.

Na área de comercialização esse profissional é o responsável técnico da empresa de exportação, que procura no mercado interno cafés para atender as exigências do importador com todas as características de qualidade, como seja, espécie, tipo, bebida, cor, aspecto, seca, umidade, percentual de defeitos e de peneiras. Ele forma stock-lot de qualidade, para atender aos padrões exigidos pelo importador. É um trabalho de grande responsabilidade e bem valorizado financeiramente.

Na área de corretagem ele atua na compra do café diretamente com o produtor e na venda com o industrial. Ele tem que ter um amplo conhecimento da cotação do mercado cafeeiro, acompanhando no dia a dia, essas cotações para comprar ou vender na hora certa, sempre buscando a lucratividade na negociação.

Na área de industrialização ele presta assistência técnica, orientando o industrial com relação ao recebimento da matéria prima, estocagem no armazém da indústria, ponto de torra e moagem ideal, empacotamento, confecção de blends do café nos padrões tradicional, superior e gourmet e elaboração de laudos do café comercial torrado e moído, com os respectivos pareceres técnicos.

Esse profissional atua também na indústria de café solúvel confeccionando blends e avaliando a qualidade do produto final e na Bolsa de Mercadorias do Futuro – BMF, conferindo a qualidade dos cafés negociados em contratos.

Na área de preparação de café esse profissional é quem orienta ao Barista ou ao dono de cafeteria sobre a qualidade do blend ideal para ser utilizado na máquina, como também o ponto de torra e moagem adequado para extrair um excelente café expresso.

O classificador e degustador de café atua também como juizes, em concursos de cafés especiais da mais alta qualidade.

Além disso, ele poderá trabalhar como professor dessa especialização, desde que esteja bem capacitado e devidamente registrado e autorizado pelo Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento – MAPA, para esse fim.

Portanto é bem vasta a área de atuação desse profissional no mercado de trabalho, entretanto, essa profissão ainda não foi regulamentada pelo governo, constando apenas na listagem de Classificação Brasileira de Ocupações – CBO, do Ministério do Trabalho. É por isso que tem muitas pessoas atuando no ramo, sem o devido registro oficial.

A pessoa que deseja ingressar na profissão de Classificador e Degustador de Café, o governo exige que tenha o nível técnico ou superior e se quiser obter registro oficial da profissão, deverá comprovar que é Técnico Agrícola ou Engenheiro Agrônomo e participar do curso técnico especializado, com 360 horas de treinamento, se possível participar de estágio junto a uma empresa de corretagem, exportação ou uma indústria de torrefação e moagem ou de café solúvel, para se tornar bastante capaz para exercer essa profissão.

O mercado é promissor e a pessoa que quiser ingressar nessa profissão, tem que ter aptidão, ser perseverante e muito dedicado ao trabalho.

Por: Alaerte Telles Barbosa
Alaerte Telles Barbosa é classificador e degustador de café, exerce essa profissão à 46 anos, sendo 30 anos dedicados ao Instituto Brasileiro do Café-IBC, 8 anos de trabalho na Abic e 8 anos de trabalho na empresa Grão Mestre Café, como professor do Curso de Classificação e Degustação de Café e Consultor Técnico de Café.



Em Santos, cidade portuária cujo centro comercial é repleto de casas de comércio de café, foi oferecido, já em 1950, o curso Auxiliar de Comércio Cafeeiro, realizado pela então Escola Senac de Santos. Com duração de um ano, os alunos tinham acesso a disciplinas essenciais ao trabalho na área, como estudos aprofundados sobre os grãos, contabilidade e legislação específicas.

Na cidade de São Paulo, o curso começou em 1962 com a denominação original de Classificador e Provador de Café. O curso durava cinco meses e incluía disciplinas como inglês aplicado ao comércio, aulas práticas de classificação, degustação e técnicas de visualização. As salas de aula contavam com seis mesas de classificação, três de provação, balanças de precisão, cuspideiras, torrador, moinho elétrico, fogão, louças e demais itens necessários.

Mais tarde, o mesmo curso entrou para a programação das unidades do Senac nos municípios de Santos, Ribeirão Preto e Marília. Nas décadas de 70 e 80, passou por modificações de estrutura, currículo e nomenclatura, e continuou sendo ministrado pelo Senac até o início dos anos 90.


FONTE
EPTV
mexido de ideias
sindcafé
SENAC SÃO PAULO

2 comentários:

  1. caro amigo trabalho na area de classificação de café a um bom tempo sei todas as maneiras de degustação da bebidas e classificação e torração ,bom resumindo tudo sou um profissional na era.. mais hoje estamos em tempos ruim pois o classificador não tem muita oportunidade de novos emprego na área.. não adianta estudar tanto para pouco reconhecimento.... conheço classificador que trabalhou mais de 20 anos na área e hoje esta parado por motivos de falta de vagas na área ..é triste mais e verdade...

    Jose Inaldo classificador de cafe
    trabalho atual exportadora de cafe naumann gepp
    curso associação comercial de santos .. um abraço e sucesso a todos
    e-mail sadraque_junior3@hotmail.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, meu nome é Evandro, tenho Curso Superior em Tecnologia em Agronegócio, e gostaria de me especializar no ramo cafeeiro, é uma boa área de atuação profissional? E pretendo fazer o curso em Santos, é uma boa escolha?
      Desde já agradeço.

      Excluir